Edifício Matarazzo: endereço do jardim suspenso de São Paulo

Tempo de Leitura: 8 minutos

Atualizado em 26/05/2024 por Sylvia Leite

Fachada do Edifício Matarazzo - Foto de Diego Torres Silvestre - BLOG LUGARES DE MEMORIAConhecido popularmente como como Banespinha, por ter pertencido ao Banco do Estado de São Paulo, ou como Palácio Anhangabaú, por estar localizado no vale do mesmo nome, o Edifício Matarazzo é uma das construções mais antigas e famosas do Centro de São Paulo. Foi erguido em 1939 para abrigar os escritórios do grupo empresarial de mesmo nome e acabou se transformando na sede da Prefeitura de São Paulo. O jardim suspenso é apenas uma parte de suas inúmeras curiosidades. Até chegar à cobertura onde o jardim foi instalado, o visitante passa por obras de arte e arquitetura representativas tanto das atividades econômicas a que o grupo se dedicava, como de sua riqueza e grandiosidade. Mas é nesse jardim, e em suas mais de 400 espécies – algumas com até 10 metros de altura – que reside o grande diferencial do prédio.

São 500 metros quadrados repletos de plantas frutíferas e ornamentais, coroadas por duas espécies representativas do país e do estado: o pau brasil e o café. Ao longo de uma espécie de trilha pavimentada, o Caminho no jardim do Edificio_Matarazzo- Foto de Cesar Ogata em Fotos Públicas - BLOG LUGARES DE MEMORIAvisitante caminha entre árvores altas como aroeira – que dá a pimenta rosa – palmeira, mangueira e até árvores consideradas em extinção como a cereja do rio grande. Todas são identificadas pelo nome popular, nome científico e continente de origem. A fim de prevenir eventuais danos causados pelo vento, as árvores estão amparadas por cabos de aço e para comportar todas as raízes, o jardim foi construído sobre um vão de 40 centímetros de profundidade.

Embora tenha existido desde a construção do edifício, o jardim suspenso só começou a ser chamado assim a partir da década de 70, quando evoluiu de um terraço com alguns canteiros de plantas baixas para uma espécie de mini horto florestal. Por incrível que pareça, não foi um arquiteto ou um botânico quem impulsionou a mudança e sim o zelador do prédio, Walter Galera, que era apaixonado por plantas e começou a encher o terraço com vasos das mais variadas espécies.

Lago de carpas no Edificio Matarazzo - Foto de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIANa época, o Edifício Matarazzo pertencia ao Banco do Estado (Banespa) e, ao tomar conhecimento da iniciativa do zelador, os diretores da instituição decidiram contratar especialistas para erguer um jardim suspenso de forma planejada.  Assim que a obra foi concluída, o zelador tornou-se jardineiro e cuidou das plantas até morrer, quando, em sua homenagem, o jardim recebeu o nome de Walter Galera.

Como se não bastasse a variedade de plantas, o jardim suspenso do Edifício Matarazzo contém, ainda, um lago de carpas, remanescente da época de construção do prédio, e três mirantes que, juntos, proporcionam uma visão de 360 graus da cidade de São Paulo. Na linha de visão dos observadores, estão outros prédios icônicos da cidade como o Theatro Municipal, o Farol Santander e o Edifício Martinelli.

Outras curiosidades do Edifício Matarazzo

Imagem parcial da fachada do Edificio Matarazzo - Foto de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIAO jardim suspenso é a última etapa da visita ao Edifício Matarazzo. Antes disso, nos deparamos com várias outras curiosidades, a começar pela grandiosidade do prédio que consumiu, em seu revestimento, mais de 170 mil placas de mármore travertino trazidas da Itália.

Projetado em estilo Neoclássico, pelo escritório Severo & Villares – fundado por Ramos de Azevedo -, recebeu detalhes do estilo fascista, inseridos pelo italiano Marcello Piacentini, contratado para fazer uma revisão no projeto original.

Há quem diga que os três ‘M’ esculpidos em relevo no alto das janelas frontais são uma referência ao patriarca da Família Matarazzo, ao arquiteto Marcelo e ao ditador fascista Benito Mussolini. Segundo a versão oficial, no entanto, as letras referem-se unicamente a pessoas da família: o patriarca Francesco, o filho Ermelino – que deveria sucedê-lo mas morreu em um acidente – e Francesco Júnior que foi o primeiro sucessor e responsável pela construção do edifício.

Mapa do Brasil no Ed Matarazzo - Foto de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIAEntre as curiosidades do Edifício Matarazzo, está o mapa do Brasil feito em mosaico. A obra, encomendada ao artista Italiano Julio Rosso para decorar a parede do saguão, foi produzida em Veneza e ficou presa por lá até 1946, por causa da Segunda Guerra. Quando foi liberada, veio aos pedaços dentro de um navio e teve que ser remontada aqui como um grande quebra-cabeças. Como o artista não conhecia o Brasil, teria usado como modelo uma pintura do artista alemão Johann Moritz Riguendas.

A idade da obra é evidenciada pela escrita arcaica e pelas diferenças geográficas em relação ao mapa atual, como a ausência dos Estados Tocantins e Mato grosso do Sul e de alguns países vizinhos que ainda não haviam sido constituídos. A indicação de Brasília foi inserida depois sem qualquer ilustração.

Na época, o Distrito Federal era o Rio de Janeiro, mas, não se sabe ao certo por que razão, aparece localizado em Santos, no litoral de São Paulo. Alguns alegam que isso ocorreu pela falta de espaço no mapa do Rio, Colunas do Edifício Matarazzo - Fotos de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIAmas há quem interprete a imprecisão como uma manobra intencional de Matarazzo que sonhava com a transferência da capital para o Estado onde fez fortuna.

No mesmo hall de entrada em que se encontra o mapa do Brasil, há imensas colunas com relevos que retratam o trabalho humano em todas as variações conhecidas na época. Seu autor é o artista italiano Galileo Emendabile, o mesmo que idealizou o Mausoléu ao Soldado Constitucionalista de 1932.

Apesar de toda essa influência italiana -que permeia tanto o projeto do prédio como os materiais e obras de arte usados em sua construção – o Edifício Matarazzo expressa o Brasil de sua época. A grandiosidade da construção, com 15 metros de pé direito em seu hall de entrada, reflete a pujança do grupo e o processo de industrialização de São Paulo no início do século 20. A decoração do prédio, desde a fachada até os ambientes internos, é toda alusiva às atividades do grupo empresarial, que coincidem com osHall de entrada do Edificio Matarazzo - Foto de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIA principais ramos da economia brasileira no período. O próprio mapa em mosaico vai muito além da divisão administrativa, retratando a economia e a cultura de cada estado.

O Edifício Matarazzo também surpreende pelo número de andares, que embora somem 13, incluindo o terraço superior (rooftop) onde se encontra o jardim, para irmos até lá temos que apertar o botão 14. Ocorre que Francesco Matarazzo, o fundador do império cujos escritórios ocupariam o edifício, era supersticioso – assim como muita gente que viveu na mesma época – 1 e, por isso, os andares foram nomeados normalmente até o décimo segundo e o terraço foi identificado como décimo quarto. É curioso, e até irônico, pensar que com toda essa aversão ao número 13, o conde Matarazzo, como era chamado, teve 13 filhos.

O visionário que deu nome ao Edifício Matarazzo

Francesco Matarazzo era um imigrante Italiano que chegou ao Brasil sem um centavo e se tornou um dos homens mais ricos do país e do mundo. É certo que antes de vir ele já possuía fortuna herdada do pai, mas como havia Funcionarios de fabroca com latas de banha - Foto de dominio publico - BLOG LUGARES DE MEMORIAherdado dívidas e a Itália enfrentava, ele resolveu transformar o que ainda possuía em banha de porco a fim de iniciar um negócio no Brasil. A carga foi perdida na viagem – segundo alguns, no desembarque –  e ele teve que começar uma nova vida como mascate, mas não esqueceu a banha de porco.

Na época, o Brasil importava banha de porco dos Estados Unidos e o produto estragava facilmente porque era armazenado em barricas de madeira. Matarazzo teve a ideia de produzi-la por aqui e armazena-la em latas, o que além de aumentar a durabilidade do produto, facilitava sua venda àqueles que não podiam comprar grandes quantidades. E foi para vender banha de porco e outros produtos alimentícios que o futuro Conde Matarazzo montou seu primeiro armazém de secos e molhados em Sorocaba, interior de São Paulo e logo depois seu primeiro empório no Centro da capital.

O patriarca Francesco não viveu para inaugurar o prédio que abrigaria os escritórios de seu império. Não pôde, sequer, acompanhar a obra do Edifício Matarazzo, que foi iniciada justo no ano de sua morte pelo filho que oImagem de fachada de fábrica do grupo IRFM - Dominio publico - BLOG LUGARES DE MEMORIA sucedeu, Francesco Matarazzo Júnior. Nessa época, as Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo já eram consideradas o maior grupo empresarial da América Latina, com mais de 350 empresas nos ramos de alimentos, bebidas, tecelagem, transportes terrestres e marítimos, produtos químicos, entre outros. Sua receita era superior à de todos os estados brasileiros com exceção de São Paulo e a fortuna da família era calculada em U$ 20 bilhões.

Mas o grupo não foi além da terceira geração. A partir de 1969, pressionado pela concorrência de multinacionais, entrou num processo de decadência que se estendeu até o início dos anos 2000.

Alguns imóveis históricos do grupo foram postos abaixo sem deixar vestígios. O Edifício Matarazzo foi vendido ao Grupo Audi  e posteriormente ao Banespa. Em 2004, a partir de uma complexa negociação, foi parar nas mãos da Prefeitura de São Paulo. No ano seguinte, o jardim e dois andares do prédio – o hall de entrada onde está o mapa do Brasil e o andar onde funcionaram as diretorias do grupo Matarazzo e depois do Banespa – foram tombados pelo órgão municipal de patrimônio histórico, o CONPRESP.2

Notas

Edifício Matarazzo – Vale do Anhangabaú – São Paulo – São Paulo – Brasil – América do Sul

Texto

Fotos

  • (1) Diego Torres Silvestre - Flickr, Wikimedia - CC BY 2.0
  • (2) Cesar Ogata/ Secom
  • (3,4,5,6/7,8) Sylvia Leite
  • (9,10) Acervo Museu Histórico Municipal Conde Francisco Matarazzo- domínio público

Referências

Participação especial

    Compartilhe »
    Increva-se
    Notificar quando
    guest

    8 Comentários
    Avaliações misturadas ao texto
    Ver todos os comentários
    Marcelo Prates
    Marcelo Prates
    23 dias atrás

    Excelente como sempre!

    Augusta Leite Campos
    Augusta Leite Campos
    21 dias atrás

    Gostaria que esse jardim virasse moda nos prédios comerciais de São Paulo e do mundo. Teríamos cidades mais verdes e bonitas, mais adequadas às mudanças climáticas. Parabéns Sylvia pela excelência de contar a história deste local.

    Joaquim Sobral
    Joaquim Sobral
    21 dias atrás

    Estou sempre aprendendo contigo. Excelente texto. Parabéns.

    Lia Dantas
    Lia Dantas
    17 dias atrás

    Muito bom!!! Quando for a São Paulo quero conhecer