Festa de São Benedito: origem e razão do Encontro Cultural de Laranjeiras

Tempo de Leitura: 4 minutos

Atualizado em 02/05/2024 por Sylvia Leite

Grupos folclóricos no Encontro Cultural de Laranjeiras - Fotos de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIA Há mais de três décadas, estudiosos da cultura popular são atraídos a Laranjeiras, no interior de Sergipe, durante a primeira semana do ano, para participar de um encontro cultural. A programação da festa inclui shows musicais, exposições, apresentações de grupos folclóricos e até um simpósio, mas a origem e a razão de tudo situam-se em uma celebração religiosa: a Festa de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário.

O sincretismo dá o tom das comemorações, a começar pela história dos santos: ele, um italiano negro, filho de escravos etíopes e correspondente a Ogum. 1Ela, a mãe misericordiosa que prometeu à Santa Ifigênia, que era negra, proteger os africanos escravizados e, por isso, tornou-se padroeira das principais instituições culturais de cunho sincrético no Brasil – as Irmandades de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.

O papel central da Taieira

Taieiras e patrão na Festa de São Benedito - Foto de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIAQuem protagoniza a festa popular é a Taieira –  um tipo de dança-cortejo organizada por integrantes da Casa de Santo Irmandade de Santa Bárbara Virgem, de tradição Nagô Puro2, mas que cultua também os dois santos católicos.

Uma das peculiaridades do grupo está no fato de ser composto principalmente por moças virgens – as taieiras – que cantam, dançam e tocam um instrumento de percussão conhecido como querequexé. Os cinco personagens masculinos – o rei, o ministro, o patrão e os dois capacetes – também participam e um deles, o patrão, toca tambor. Há, ainda, duas rainhas, representados por pessoas  mais velhas, que apenas acompanham as taieiras sem dançar. 

A celebração acontece no domingo mais próximo a 6 de janeiro, Dia de Reis, data que integra o calendário litúrgico da Igreja católica. Logo cedo, os integrantes da TaieiraDetalhe dos instrumentos da Taieira - Foto de Sylvia Leite - BLOG LUGARES DE MEMORIA reúnem-se na Casa de Santo para fazer uma espécie de preparação. Por volta das 9 horas, dois outros grupos vêm buscar a Taieira para um cortejo até a igreja de São Benedito: primeiro a Chegança do Almirante Tamandaré e depois o Cacumbi de mestre Deca.

Embora o trajeto seja bem curto, a caminhada da Casa de Santo até a Igreja de São Benedito e Senhora do Rosário dura cerca de uma hora. É que antes de se dirigir ao destino final, os grupos vão até a beira do rio para louvar Yemanjá.

A chegada à igreja é esperada pelos fiéis que apoiam-se nas grades do pátio para assistir ao espetáculo da subida dos grupos pela longa escadaria.

Coroação e louvores na Festa de São Benedito

Coroação da Rainha das Taieiras - Foto de Irineu Fontes - BLOG LUGARES DE MEMORIADepois de assistirem à missa ao lado dos fiéis, os grupos fazem suas louvações dentro da igreja. Mas antes do início da cantoria, ocorre a apoteose da festa, quando o padre retira a coroa de Nossa Senhora do Rosário e pousa na cabeça de cada uma das rainhas da Taieira.

O ritual remete às coroações dos Reinados do Congo – uma espécie de instituição criada pelo Estado Português a fim de aliviar as tensões com os escravizados e assim manter sua dominação, mas que acabou abrindo brechas para a preservação da cultura que eles trouxeram da África.

Ao final de tudo, a Taieira inicia as visitas a residências onde seus integrantes cantam e dançam para os donos de cada casa. Mas só fazem isso quando são convidados a entrar.

O Encontro Cultural de Laranjeiras

Simpósio do Encontro Cultural de Laranjeiras - Foto da Prefeitura de Laranjeiras - divulgação - BLOG LUGARES DE MEMORIAEmbora já esteja incorporado à história da cidade, o Encontro Cultural de Laranjeiras tem sua existência inteiramente vinculada à Festa de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário.

Seu evento principal, o Simpósio do Encontro Cultural de Laranjeiras, estuda temas relativos a essa tradição e a outras manifestações culturais brasileiras. Os grupos folclóricos que sempre saíram às ruas na Festa de São Benedito e Nossa Senhora da Glória para louvar os santos católicos fazem apresentações individuais e um cortejo coletivo.

A única parte da programação que não tem vínculo com a festa original são algumas exposições e apresentações de artistas locais e os shows musicais da noite que, assim como em outros eventos culturais, servem de chamariz para o grande público.3

Notas

  • 1 A correspondência sincrética dos Santos varia conforme a religião de matriz africana. Consideramos aqui a religião Nagô Puro que será citada mais adiante
  • 2 Segundo a coordenadora da Taieira, e mestra pela Universidade Federal de Sergipe, Maria do Espírito Santo, a denominação Nagô Puro refere-se ao fato dessa linha religiosa não admitir misturas com outra prática religiosa, a não ser o catolicismo
  • 3 Leia, aqui no blog, matérias sobre outras manifestações culturais do Nordeste: Dança de São Gonçalo / Mussuca / Bumba Meu boi

Festa de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário –  Laranjeiras – Sergipe –  Brasil – América do Sul

Texto

Fotos

  • (1,2,3) Sylvia Leite
  • (4) Irineu Fontes
  • (5) Prefeitura de Laranjeiras/divulgação

Referências

Agradecimento

  • A Bárbara, líder da Taieira
Compartilhe »
Increva-se
Notificar quando
guest

8 Comentários
Avaliações misturadas ao texto
Ver todos os comentários
Hilda Liberman
Hilda Liberman
5 meses atrás

Textos de Sylvia Leite sempre me surpreendem por sua beleza poética ,ao mesmo tempo que aprendemos fatos significativos de nossa história dr uma forma viva!!!

Ma. Elisa Fernández
5 meses atrás

Muy buena información y racconto de identidad!!

Augusta Leite Campos
Augusta Leite Campos
4 meses atrás

Muito interessante Sylvia este tema do sincretismo religioso entre tradições africanas e o catolicismo. Especialmente a tradição Nagô. Gostaria de conhecer mais sobre essas festas em Laranjeiras que nos levam a entender mais essas tradições religiosas de matriz africana. Aguardo Sylvia que nos leve nessas viagens.

Sonia Pedrosa
4 meses atrás

Tão bom quando a gente conhece a história e assiste a essas apresentações! Muda tudo. Valeu, Sylvinha!!!